Recent Visitors

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Fantasias e Fatos sobre Dança do Ventre!!!!

Fantasias e Fatos sobre Dança do Ventre

As dançarinas usam uma jóia no umbigo.
A idéia de usar uma jóia no umbigo originou-se em Hollywood. Dançarinas do Oriente Médio não usam jóias nos seus umbigos.

Varas se tornaram um suporte usado na dança do ventre como uma representação de pastores conduzindo ovelhas nos campos.
Esta dança originou no Egito sulista, na região conhecida como Said ou o Egito Superior. Tradicionalmente, homens de Said levavam varas longas chamadas tahtihbs, as quais eles usavam como armas. Isto conduziu a uma arte marcial e eventualmente surgiu uma dança, na qual eles fingiam lutar com estas varas. As mulheres começaram então a dançar com varas como uma diversão imitando os homens e com o passar do tempo desenvolveram uma dança distinta.

A origem de equilibrar uma espada na cabeça da dançarina vem das mulheres que acompanharam os homens em guerras, e os entreteniam à noite nas barracas.
Não há nenhuma dança difundida no Oriente Médio que envolve o equilibrio de uma espada na cabeça da dançarina. A evidência histórica basica que levou as dançarinas modernas a tratar a espada como um suporte folclórico vem de uma pintura do artista Orientalista chamado Gerome, datada do século 19. Esta pintura inspirou muitas dançarinas modernas na Europa, Austrália, Nova Zelândia e América do Norte a equilibrar espadas nas suas cabeças, mas não é uma coisa comum de ser feita por dançarinas do Egito, Turquia, Líbano, ou outras partes do Oriente Médio. Os investigadores da dança do ventre não puderam achar documentos confirmando esta prática. Há uma dança entre homens egípcios que envolve a espada ao longo da dança, executando movimentos marciais com a mesma. Mas em nenhum momento ao executar esta dança, os homens equilibram a espada nas suas cabeças (ou em qualquer outro lugar).

A dança do ventre era extensamente usado nos haréns por mulheres para chamar a atenção do Sultão.Assim, ele a escolheria entre as outras mulheres.
No Oriente Médio, mulheres dançam para outras mulheres e também para seus amigos, vizinhos, tias, mãe e primos. Elas usam isto para se divertir durante o dia enquanto os homens estiverem fora ganhando a vida. Elas dançam também para celebrar festas de família como casamentos. Em algumas partes do Oriente Médio as celebrações dos homens são feitas em uma sala separada das celebrações das mulheres.

A dança do ventre era tradicionalmente usada como uma dança de sedução.
Como já foi dito acima, no Oriente Médio, as mulheres dançam para outras mulheres. É provável que havia mulheres que usaram isto para atrair seu marido. Porém, isso não é tradição na sociedade na famílias Orientais Medianas. Mulheres não ensinam suas filhas uma "dança de sedução."

A dança do ventre foi trazido pelos Ciganos da Índia para o Oriente Médio.
A África tem uma longa história de danças com movimentos de quadril usadas antes dos Ciganos migrarem para o oeste. A Turquia também teve uma longa história de danças com ondulações do torso antes dos ciganos migrarem para o oeste. Embora seja possível que os ciganos possam ter trazido algumas idéias com eles, a tradição de dança local já existia ao longo do Oriente Médio antes da sua chegada.

A Dança dos Sete Véus é uma dança tradicional do Oriente Médio, baseado em uma história sobre Ishtar que deixa para trás um véu em cada um dos sete portões quando ela se tornou uma criminosa.
A Bíblia conta que uma jovem mulher dançou para Herod. Ele não pode identifica-la pelo nome. A historia não diz nada sobre o que ela fez na dança, somente que a dança mecheu muito com Herod. A lenda que ela fez uma "dança dos sete véus" foi introduzido no século 19, quando o dramaturgo britânico Oscar Wilde escreveu uma peça sobre os amores de Salomé. A história dele foi usada como a base para uma ópera chamada Salomé, escrita por Richard Strauss. Foi a ópera de Strauss que apresentou à sociedade Ocidental a história de uma jovem mulher que retirou um veu de cada vez até ficar nua para Herod. Depois disso, Ruth St. Denis e Isadora Duncan incorporaram "O Oriente" nos seus próprios retratos de dança e Hollywood gerou o tema em alguns filmes. Enquanto Strauss e Wilde exercitaram sua energia criativa, os textos babilônicos sobre a descida de Ishtar para o mundo do crime não foi traduzida para qualquer idioma que as pessoas poderiam ler. Então, a noção que o mito de Ishtar trouxe "a dança dos sete véus" de alguma maneira para a consciência Ocidental simplesmente não é verdadeira.

Os Ciganos dançavam ao redor das fogueiras nos seus acampamentos debaixo das estrelas e desfrutavam o romance.
A Vida era muito dura para os ciganos. Na mesma época em que a Europa Ocidental foi enfurecida pela escravização de africanos, os seus vizinhos na Romênia do leste escravizavam os ciganos. Os ciganos suportaram muitos sofrimentos, e até hoje na Europa as casas dos ciganos são queimadas e eles são expulsos das comunidades enquanto as autoridades locais os ajudam contra a perseguição. O motivo dos ciganos acamparem ao ar livre era provavelmente a perseguição.Não ha nenhum romance nessa vida dura.

O nome "dança do ventre" vem da ma pronuncia de "baladi dance", que é uma dança egípcia.
A "dança do ventre" se tornou mais conhecida atraves do promotor de eventos americano, Sol Bloom. Ele estava tentando incitar o interesse do público pelas ruas do Cairo na feira de exibição mundial ocorrida em 1893 em Chicago. É muito improvável que Bloom soubesse que a dança fosse chamada assim, o que ele queria mesmo era atrair um grande número de curiosos à exibição das cobiçadas dançarinas exóticas. Muitas dançarinas modernas observaram a semelhança fonética das palavras "baladi" e palavras e "belly" (que em ingles significa ventre), mas isto é só uma coincidência, não há nenhuma prova!

O traje tradicional das dançarinas Orientais era um sutiã com moedas bordadas ou um cinto bordado.
A ideia do sutiã bordado com moedas surgiu nos Estados Unidos. Embora muitos discordem, alguns atribuem a invenção do sutiã de moedas a Bob Mackie, desenhista de fantasia de filmes em Hollywood.

No Oriente Médio, são usados enfeites para decorar os cabrestos de burros, camelos, e outros animais.
Os animais raramente usam os enfeites diariamente, geralmente os enfeites são colocadas nos cabrestos somente em ocasiões especiais. Não há nenhuma documentação que apoie a idéia que os árabe ou turcos usavam em humanos cintos com enfeites para dançar. Todos estes acessórios de fantasia podem parecer realmente muito bonitos nas dançarinas e são muito usados. Eles são bonitos, mas não estaria correto dizer que são representações precisas do que era de fato usado pelas dançarinas da época no Oriente Médio.

Fonte: http://www.business-with-turkey.com/guia-turismo/danca_ventre_turquia1.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário