Recent Visitors

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Dança dos Sete Véus!!!


A dança dos sete véus é um dos mais famosos, belos e misteriosos ritos primitivos. Embora muita gente acredite que se trata da mais antiga versão do strip-tease, a dança não tinha um caráter exclusivamente erótico. Não era praticada em ritos de fecundação, mas pelas sacerdotisas dentro dos templos da Deusa Egípcia Ísis. . A sacerdotisa oferecia a dança para a Deusa Isis, que dentro dela existe, e lhe da beleza e força.
Essa dança era realizada em homenagem aos mortos. As sacerdotisas, em seus templos, retiravam não só os véus, mas todos os adereços sobre o seu corpo, para simbolizar a sua entrada ao mundo dos mortos sem apego a bens materiais.
A Dança dos Sete Véus pode ser realizada, também, em homenagem à Deusa Babilônica Ishtar ou Astarte, deusa do amor e da fertilidade. Segundo os babilônios, Tamuz, seu amado teria perdido a vida e levado para o reino de Hades, o submundo, e Ishtar, por amor, resolveu ir também para o reino de Hades. Determinada, Ishtar atravessou os sete portais do submundo, e em cada portal deixou um de seus pertences: um véu ou uma jóia (cada um deles representando um de seus sete atributos: beleza, amor, saúde, fertilidade, poder, magia e o domínio sobre as estações do ano). O véu representaria o o que ocultamos dos outros e de nós mesmos. Ao deixar os véus Ishtar revela sua verdade e consegue unir-se a Tamuz.
Mais tarde passou a simbolizar as sete cores do arco-íris, os sete planetas conhecidos na época (que estão representados na dança como possuidores de qualidades e defeitos que influenciam o temperamento das pessoas) e os sete chacras (pontos energéticos do corpo humano). Com isso, a dança passou a ser realizada por bailarinas, que limitavam-se a retirar os véus. A retirada e o cair de cada véu , significam o abrir dos olhos, o cair da venda, que desperta a consciência da mulher. E a evolução espiritual .
Existe também um outra versão que diz que a Dança dos Sete Véus trata-se de um dança hollywoodiana (Salomé) que foi unida a dança do ventre ganhando fama e se propagando com ela. Entretanto, cabe ressaltar que, falando-se de dança do ventre, não existe verdade e nem tampouco mentira absoluta.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Dance e esqueça estes mitos!!!!!!


Mitos e Verdades


1. NÃO TENHO MAIS IDADE PARA DANÇAR! - É uma dança para todas as idades e todos os tipos físicos. Engana-se quem idealiza que para se dançar, é preciso ser nova e esbelta. Em alguns países árabes as mulheres mais "cheinhas" e mais velhas são consideradas as melhores bailarinas, por já possuírem bastante experiência de vida e poder transmiti-la na dança. Possuem mais capacidade de realizar uma "Interpretação Musical";
2. BELEZA - Na dança do ventre não existe mulher feia. As roupas, os movimentos, as maquiagens exóticas e o que você passa ao público enquanto dança, deixam-na mais bonita, sensual, atraente...;
3. ACREDITE EM VOCÊ - Se tem dificuldades em realizar um passo, é só uma questão de tempo que você vai conseguir. A assimilação dos movimentos varia muito de mulher para mulher;
4. CONFIE EM SUA PROFESSORA - Conte a ela o que está mudando em seu corpo e na sua vida depois que começou a dança. As professoras do Luxor estão treinadas para cuidar da sua pessoa e do seu bem estar;
5. EU NÃO DANÇO BEM! - Dançar bem está ao alcance de todas. Exige treinos constantes; estudar ritmos; ouvir muita música; entregar-se totalmente à dança. Converse com o público através de seu corpo. Procure interpretar a melodia com movimentos adequados, principalmente expressões faciais. Leve alegria, graça, sensualidade e respeito as suas apresentações;
6. TOTAL INTERAÇÃO - É uma dança que exige espiritualidade, inspiração, concentração e interação da bailarina com ela mesma, com os músicos, com a música, com os movimentos, com o ambiente e com o público. Faz você esquecer de qualquer coisa ruim que lhe aconteceu;
7. A DANÇA É UMA ARTE - É considerada uma arte porque veio da Arte Religiosa Egípcia, é a expressão mais profunda da compreensão que os egípcios tinham do mundo. Essa dança é uma representação do conhecimento feminino do mundo;
8. É CONSIDERADA UM EXERCÍCIO COMPLETO - Considerada completa porque trabalha todos os grupos musculares do corpo. Isso só se sua professora estiver sempre trabalhando os movimentos da dança, combinados com exercícios de força, resistência muscular, sustentação, leveza e equilíbrio;
9. AJUDA A EMAGRECER - Faz você perder por volta de 300 calorias por hora, porque é um exercício aeróbico, utiliza-se muito oxigênio para a queima de gordura. O resultado só acontece caso você dance uma hora sem parar pelo menos 3 vezes na semana - como qualquer outro exercício aeróbico;
10. DEFINE SEU CORPO - Além de ajudar a emagrecer, define seu corpo, afina sua cintura. Às vezes temos a impressão de que os quadris aumentaram, isso acontece em virtude da cintura afinar. Para quem já é magra não há preocupação: a dança irá apenas definir melhor o seu corpo e fazer você nascer de novo;
11. ENRIJECE O BUMBUM - E também as coxas e a musculatura abdominal;
12. NÃO DÁ BARRIGA - Este é o mito mais comum, muitas mulheres deixam de praticar a dança por este motivo que é uma grande mentira! O mito existe porque nos países de sua procedência, culturalmente, as mais gordinhas são mais apreciadas na dança. Pelo contrário, a dança enrijece os músculos abdominais, trabalha a força e a elasticidade dos músculos abdominais, usando as ondulações dos quadris que adquirem um formato levemente arredondado - como o de um violão, bem feminino;
13. COLUNA - Como o corpo não está acostumado com determinados movimentos, é normal, mesmo para quem não tem problema na coluna, sentir um pouco de dor nas costas. Caso estas dores perdurem você deve procurar um médico e deve também avisar a professora. Ela vai tomar cuidado ao lhe passar determinados movimentos. Na dança existem inúmeros movimentos belíssimos e permitidos para quem tem algum problema na coluna e você poderá dançar confortavelmente;
14. ELEVA A AUTO-ESTIMA - Promove o autoconhecimento e o despertar da mulher interior - sua Deusa Interior - você passa a sentir-se bem com você mesma e percebe o quanto é atraente, madura e tranqüila. Descongestiona os chakras e plexos através da canalização da energia vital;
15. SEXO - Descontrai e liberta um erotismo saudável, sem vulgaridade e sem culpas.Como lidar como a sensualidade na Dança do VentreA dança do ventre é proveniente de um ritual sagrado e está ligada aos ritos de fertilização. Era realizado nos templos sagrados em homenagem a Ísis, Deusa da Magia e dos Mistérios, onde as sacerdotisas, devido a sua natureza feminina e receptiva, eram responsáveis pela abertura de um canal para o plano espiritual interior. Assim a energia feminina começava a se manifestar.
A proposta é passar a você uma nova postura de consciência de vida através desta dança. Tornar-se mais feliz quando, em vez de irmos levando nossas vidas, termos a sabedoria de dançá-la. Como na prática desta dança, caso erremos no percurso de nossas vidas, podemos treinar mais e "dançar" novamente.
Você que pratica a dança, já teve a oportunidade de entrar em contato com alguns benefícios que ela propõe, inclusive no aumento de sua sensibilidade, no que diz respeito à sua sensualidade. A maioria das mulheres que começa a fazer dança do ventre vem buscar essa sensualidade, às vezes até exagerada.
Aconselhamos que não busquem somente isso, pois irá colher apenas as migalhas que a dança oferece, e esta sensualidade tornar-se-á vulgar no dia-a-dia.
Para lhe ajudar, estabelecemos algumas definições para sua reflexão:* A Dança do Ventre coloca a mulher em contato com as energias cósmicas;* É uma maneira da mulher moderna não sentir solidão;* É uma das raras atividades humanas em que a mulher se sente totalmente engajada: corpo, espírito e coração;* Dançar com o ventre é estabelecer uma relação ativa entre a mulher, a natureza e sua força criadora;* Quando o ventre se mexe, se estabelece a comunicação do êxtase;* É o entusiasmo da vida;* É sentir a presença de Deus.
É claro que não podemos negar e nem esconder a sensualidade aflorada pela dança, mas ela deve andar paralelamente com outros benefícios para lhe deixar uma mulher mais feliz e completa, assim como a despertar a sua grande Deusa. Aquela que sabe compreender a verdadeira dança sagrada, como se realizava nos grandes Templos Sagrados, conhece o caminho que liberta da ilusão individualista, pois a dança é a sua própria natureza, é o descobrimento de todo o seu SER.

Danças Folclóricas!


Danças folclóricas


Candelabro (shamadan): Elemento original egípcio, o candelabro era utilizado no cortejo de casamento, para iluminar a passagem dos noivos e dos convidados. Dança-se, atualmente, como uma representação deste rito social, utilizando o ritmo zaffa.


Taças: Variação ocidental da dança com candelabro.


Khaligi: Dança genérica dos países do golfo pérsico. É caracterizada pelo uso de uma bata longa e fluida e por intenso uso dos cabelos. Caracteriza-se por uma atmosfera de união familiar, ou simplesmente fraterna entre as mulheres presentes. Dança-se com ritmos do golfo, principalmente o soudi.


Jarro: Representa o trajeto das mulheres em busca da água. Marcada também pelo equilíbrio.


Säidi: Dança do sul do Egito, podendo ser dançada com o bastão (no ocidente, bengala).


Hagallah: Originária de Marsa Matruh, na fronteira com o deserto líbio.


Meleah laff: representação do cotidiano portuário egípcio de Alexandria. As mulheres trajam um pano (meleah) enrolado (laff) no corpo.


As danças folclóricas normalmente retratam os costumes ou rituais de certa região de e por isso são utilizadas roupas diferentes das de dança do ventre clássica.


A dança com a cobra é considerada ato circense - a cobra era considerada sagrada no Antigo Egito e por isso algumas bailarinas fazem alusão em suas performances - mas não é considerada representativa da dança.

Dicionário Árabe!!!!! Muito interessante!!!!



Cedido gentilmente pelo Libanês Tuffic Nabak de Juiz de Fora
(fonte :
www.carllasilveira.com.br)
Olá - Marhaba
Bom Dia - Sabahel-khair
Boa Noite - Massal-khair
Nome - Essem
Qual o seu nome? (falando a um homem)- Chú essemac
Qual o seu nome? (falando a uma mulher) - chú essemic
Meu nome é - Essemi
Muito Prazer - Techarrafna
Como vai? - Kif
Como vai você? (falando a um homem) -Kifac
Como vai você? (falando a uma mulher)-Kific
Eu estou bem.(homem respondendo)- Ana mabssút
Eu estou bem. (mulher respondendo) - Ana mabssúta
Graças a Deus - Nechkor allah
Se Deus quiser - Iza allah rád
Faz Favor (falando a um homem) - Aamel maaruf
Faz favor (falando a uma mulher) - Aameli maaruf
Obrigada ou Obrigado - Chukran
De nada (falando com homem) - Tekram
De nada 9falando com mulher) - Tekrami
Seja bem vindo - Ahla u sahla
Até logo ou tchau (despendindo-se de homem)- Bekhátterac
Até logo ou tchau (despedindo-se de mulher) - Bekhátteric

Dança do Ventre!!!!


" A Dança do Ventre tem suas raizes nas antigas danças pélvicas femininas e, como todos os atos quotidiano dos povos primitivos, exprimiam sua religiosidade assim como também acontecia com as danças das mulheres. Segundo as pesquisas, as danças pélvicas sempre estiveram presentes em todas as civilizações antigas, não sendo possível atribuir a elas uma data ou região específicas.De algum modo, nós que a praticamos podemos constatar essa veracidade pois, as lembranças vão surgindo de cada parte de nosso corpo.Os movimentos desta dança tocam lugares adormecidos, podendo ativar novas células e impulsionando-nos a lugares dentro de nós, mais sutis.
Quando executamos seus movimentos suaves e circulares estamos repetindo o movimento circular do universo, entramos em harmonia com os ciclos terrestres e também lunares. Ao executarmos os tremidos nossa respiração e batimentos cardíacos alcançam uma rítmica acelerada e dentro desse êxtase, nossos músculos conseguem ainda estremecer. Integramos e interagimos com a energia pulsante e vital do planeta, onde no ápice de uma ordem amorosa os frutos brotam, as estações mudam e de nosso útero novos seres nascem.
Quando dançamos podemos lembrar às pessoas como tudo que nasce deve morrer e renascer novamente. É através do corpo feminino que esta energia vital e transformadora pode ser mais facilmente canalizada e transmitida. É uma dança que traduz em seus movimentos essa força geradora e mantenedora. É disso que esta dança trata! É uma dança que nos remete a vida, ao êxtase e a morte. A Dança do Ventre traz consigo o potencial sagrado da sexualidade humana e a promessa de recuperar sua mais saudável expressão.O sexo assim como a dança permite a união de todos os corpos, além do físico.Como uma reação alquímica o êxtase sexual assemelha-se ao êxtase da bailarina e através dessa expressão única podemos na Dança do Ventre exprimir a vida, assim como o sexo possibilita, para nós humanos, a expressão máxima do amor. Esta dança em seu esplendor pode mudar o conceito de muitas coisas dentre elas, o do sexo.
Muitas mulheres se sentem constrangidas em buscar uma dança que tenha uma caráter sexual, isto porque crescemos com uma mentalidade errada a respeito do sexo, alimentada por uma sociedade preconceituosa, puritanista, e ao mesmo tempo profanadora. O sexo, assim como a Dança do Ventre, tem sido expressado numa energia vibratória muito baixa. Ambos assemelham-se na luz e na escuridão. A Dança do Ventre vem de todos os povos, para todos os povos, e todos eles nos primórdios exprimiram em seu caráter essencial a relação da vida-morte-vida, do sexo e dos ciclos naturais do planeta.
Temos alguns relatos que na Grécia uma forma mais antiga de dança se caracterizava essencialmente pela rotação das ancas e do abdômen. Se formos vasculhar veremos que em outras culturas como africana, indiana e celta os movimentos primitivos de danças assemelham-se com a chamada Dança do Ventre de hoje. No entanto, dentre as regiões onde este tipo de dança se perpetuou, até nossos dias, vem em primeiro lugar o mundo árabe. Por ser um dos povos mais antigos, seu folclore foi-se ajustando e assim foi-se espalhando, mas também perdendo sua essência e significado primordial. Mesmos assim, se formos capazes de trocar o julgamento pela reverência, poderemos nos conectar com seu caráter transformador e gerador de Vida."
Texto de Dunia la Luna