Recent Visitors

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

terça-feira, 23 de março de 2010

Ética na Dança do Ventre!

Ocorre no Brasil uma situação que, infelizmente, é normal no mundo inteiro: dança do ventre não é uma profissão regulamentada, e isso tira a possibilidade de obtermos um respaldo, à primeira vista, de qualquer bailarina que se diga profissional. Todas são professoras e, até que se prove o contrário, “ensinam”.
Lulu Sabongi

ÉTICA é o conjunto de regras de conduta das bailarinas entre si e para com seu público e suas alunas.

O Código de Ética da Dança do Ventre foi elaborado, objetivando a organização e valorização de todos os segmentos envolvidos com a Dança do Ventre no Brasil.

A dança do ventre é uma expressão artística e, como tal, deve ser difundida. Cabe às profissionais da área zelar pelo seu conceito, mantendo assim os padrões de elegância que a envolvem e não permitindo sua vulgarização.

O que envolve afinal a ética na dança?

Basicamente, ela tem início em sala de aula e, a partir do momento em que se decide trabalhar de forma profissional com a dança, ela passa a dirigir o comportamento bailarina. Esse procedimento sugere uso constante de valores que nem sempre são observados, principalmente o respeito por todas que fazem parte deste meio.

É preciso deixar claro que ninguém é tão bom a ponto de julgar a competência de outrem. Quem sabe tudo? Quando menciono isso, quero dizer que é dispendioso e inútil escoar seu precioso tempo, tecendo comentários pejorativos sobre alguém do meio e tornar isso parte de seu dia-a-dia, criando intrigas e carregando uma "sacolinha de pedras" a tiracolo. Se você entrou nesse tipo de conduta, que é uma "rosca-sem-fim", chegaremos à conclusão de que seu tempo não deve ser tão precioso assim.

Por mais que queiramos, a proporção de gente que faz um trabalho não-sério é infinitamente maior do que o contrário. Fazer bem feito envolve compromisso, disciplina, perseverança e honestidade. Raramente você vai encontrar alguém com estas quatro qualidades juntas. Mas, se desejar, você pode desenvolvê-las ao longo do tempo. Caso opte por cultivá-las, observará que os resultados serão surpreendentes. Essa receita não falha nunca!

A princípio, acredito que alguns pontos fazem muita diferença em uma bailarina e, por isso, devem ser lembrados:

1 Ter um relacionamento honesto e aberto com outras pessoas que trabalham em sua área.


2 Ser pontual nos compromissos assumidos: apresentações e aulas.


3 Não discutir com o contratante. Defina claramente as condições do show antes, para não reclamar depois.


4 Evitar fofocas e boatos, infelizmente tão comuns no meio artístico.


5 Procurar compartilhar o espaço e não oferecer atrito onde quer que esteja.


6 Respeitar os grupos que não fazem parte de sua esfera de trabalho.


7 Utilizar bom senso nos relacionamentos.


8 Portar-se impecavelmente com todos a sua volta, para que as oportunidades sempre venham a seu encontro.


9 Não desfazer do trabalho de outros.

10 Respeitar suas origens os profissionais que te orientam é o passo inicial para ser uma bailarina de Ética e sucesso.

Acima de tudo, acredito que a falta de ética é principalmente, um vício. Pode tornar-se um vício andar com alguém que fale mal de tudo e de todos. Pessoas muito negativas influenciam qualquer grupo de forma estrondosa, pois o negativo é popular. A princípio, você apenas se aproxima e ouve. Daqui a pouco emite alguma opinião sobre algo do qual quase não tem conhecimento. Passado algum tempo,passa ser a senhora da razão e inicia o seu declínio, onde você é a personagem principal (divulgadora de fofocas e não mera ouvinte). É como um vírus: quando você percebe, ele já tomou conta de você e começa a destruir os valores éticos. Perde-se razão e daí por diante as conseqüências são desconhecidas.

Pessoalmente, acredito que podem ser chamadas de mestras aquelas que estudam a dança com afinco, todos os dias, por mais de dez anos, pesquisando, viajando e buscando aprimoramento e desenvolvimento.

Nós estamos sempre aprendendo. Aquela que não passa as informações corretas para as alunas ou escondem conhecimentos demonstram uma grande insegurança e falta de sabedoria. Quem diz que já sabe tudo e não necessita de mais nada ou não possui humildade quando necessário está sofrendo da "Síndrome do Estrelismo" e este é o começo do fim.
Bailarinas de Dança do Ventre
No Brasil, até a presente data, são consideradas bailarinas de Dança do Ventre todas aquelas que, possuindo o conhecimento e experiência necessários, prestem serviços artísticos profissionais (shows).

A bailarina profissional de Dança do Ventre deve zelar pela imagem moral da categoria que representa: a) mantendo relacionamento de respeito e elegância junto ao seu público e contratantes; b) trajando-se de forma adequada aos padrões da categoria durante suas apresentações.

É considerada conduta ética entre bailarinas e profissionais de Dança do Ventre
Quando assistir à apresentação de outras bailarinas ou alunas, dedicar o devido respeito e atenção.

Quando estiver realizando apresentação em conjunto, ser solidária e direcionar o trabalho com espírito de equipe e união.

É considerada conduta antiética na Dança do Ventre
Apresentar coreografias de outras profissionais sem autorização, bem como omitir o nome da responsável por sua criação.

Ter consciência de que cada profissional possui um estilo próprio que a diferencia e, assim, saber apreciar e admirar, com a devida humildade, todas as variadas formas de se expressar a mesma arte.

Respeitar o local de trabalho de outras profissionais de Dança do Ventre.

É considerada conduta antiética entre bailarinas de Dança do Ventre
Estando ciente do fato, atravessar ou interferir em contrato de trabalho de outra profissional de Dança do Ventre.

Distribuir material de propaganda pessoal durante serviços contratados por outra bailarina de Dança do Ventre.

Criticar o desempenho ou denegrir a imagem de outra profissional junto ao público, contratantes ou colegas da área.

Transformar uma apresentação coletiva em disputa pessoal de vaidade, interferindo na qualidade do trabalho apresentado.

Recomendações para as profissionais de Dança do Ventre
A forma como uma professora e bailarina de Dança do Ventre se referem à sua(s) professora(s) é um exemplo que será depois seguido por suas alunas.

Quem não respeita seu professor, não valoriza a arte.
Este Código de Ética objetiva a união, a humildade, a seriedade, o respeito e o amor sincero à arte da Dança do Ventre estejam sempre acima de qualquer diferença pessoal. Que estes laços que nos aproximaram até aqui em favor do objetivo único de valorizar e organizar nossa arte se fortifiquem a cada dia, alcançando todas as praticantes da Dança do Ventre no Brasil.
“As pessoas que compartilham seus conhecimentos são agraciadas porque confiam plenamente na fartura que a vida lhe proporciona.”
Gibran Khalil


FONTES: LULU SABONGI

Belly Dance –SP

J.Oriente


Nenhum comentário:

Postar um comentário