Recent Visitors

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mais um texto interessante sobre a dança do ventre!!!


Dança do Ventre

Quando se pensa em dança do ventre, a primeira imagem que vem à cabeça é a daquelas mulheres vestidas com trajes estonteantes e que fazem incríveis movimentos sinuosos com o corpo. Que homem resiste? Verdade, só que se você acha que esta dança é apenas um exercício de sensualidade, saiba que esta qualidade é apenas um dos inúmeros benefícios que a dança do ventre traz - e não é nem de longe o maior.
Cálculos do departamento de Medicina do Esporte da Escola Paulista de Medicina revelam que uma hora de dança do ventre queima cerca de 300 calorias. Está aí uma opção para quem tem horror a malhar nas academias. Silhueta mais feminina, bumbum durinho, braços alongados e coxas mais grossas são algumas das vantagens da dança. Isso sem contar a injeção de auto-estima e alguns benefícios fisiológicos. Quer mais? Veja o que a dança do ventre pode fazer por você!!!

De onde veio

Existem inúmeras versões sobre a origem da dança do ventre e nenhuma delas apresenta provas convincentes o bastante. No entanto, há um certo consenso em relação à hipótese mais provável. Suas raízes estariam nos cultos antigos à grande Deusa, geradora do universo e adorada pelos povos da Antigüidade. A dança reproduzia os movimentos de criação do mundo.
As datas são bem imprecisas. Os rituais teriam se iniciado por volta de 7 mil anos a.C. Há registros na Índia, Mesopotâmia, Fenícia, Grécia, Pérsia e Egito, este último considerado o berço da dança. Os árabes que invadiram este país teriam sido os responsáveis pela divulgação mundial. Outra função atribuída à dança é a preparação da região pélvica para a gravidez e o parto. Afinal, naquela época, nem se ouvia falar em cesariana e anestesias. A dança ganhou, pouco tempo depois, caráter de diversão, o qual permanece até os dias de hoje.
Mas, se você pensar nesta dança apenas como espetáculo de sedução, vai perder a melhor parte do show.

Corpo de violão

Qualquer pessoa pode praticar dança do ventre. Não há restrição de idade, nem limitação física, exceto por problemas mais graves de coluna. Para as crianças, aconselha-se começar esta dança a partir dos 9 anos. Gestantes podem dançar normalmente, desde que a gravidez não seja de risco. A roupa é indispensável para as apresentações. A composição básica é formada por bustiê, cinturão, saia longa, com ou sem abertura nas pernas, e véu.
Depois de pouco tempo de prática, já dá para sentir as diferenças. A técnica modela o corpo, afina a cintura da mulher, arredonda os quadris e enrijece pernas e braços. Os movimentos ondulatórios alongam a musculatura lateral e afinam a cintura. A mulher fica mais curvilínea. Já as batidas de quadril trazem uma série de outros benefícios: enrijecimento muscular em várias partes do corpo, como no abdome, centro energético da dança; nas coxas porque elas dão contrair a musculatura glútea.
Os passos executados com os braços e com a manipulação do véu ampliam o movimento do ombro e alongam a musculatura peitoral. Por tudo isso, a dança do ventre é um excelente exercício de resistência muscular localizada. Haja fôlego! Para quem pensou que era moleza, note que esta dança já entrou no páreo com as aulas de ginástica.

Abaixo o mito da barriga!

As professoras de dança do ventre se arrepiam ao ouvirem falar que a dança do ventre dá barriga. Criou-se este mito porque qualquer pessoa pode praticar, até mesmo as mais descuidadas com a forma física; daí o fato de o público pensar que esta dança deixa as gordinhas com uns quilos a mais, porém existe uma dose de verdade nisso, mas a dança não é a responsável e, sim, quem a pratica. Quando você joga o bumbum para trás, acaba forçando a coluna. Esta postura errada causa dores lombares e facilita o acúmulo de gordura no baixo ventre. Então, é só seguir as regras e acertar o encaixe no quadril para não ter surpresas depois.
Por isso é muito importante procurar uma profissional no assunto, que tenha anos de experiência com aulas e danças que saiba lhe ensinar as técnicas corretas para não prejudicar seu desempenho artístico e corporal.

Dança terapêutica

Não se pode esquecer do tratamento interno da dança do ventre. Para muitas dançarinas, ela é um verdadeiro exercício de relaxamento e autoconhecimento, como nas demais técnicas orientais, como a yoga. Para as mulheres com distúrbios de sexualidade, é um santo remédio receitado pelos próprios ginecologistas. A dança trabalha seu interior, traz de volta sua auto-estima, deixa aflorar a sua feminilidade.
Além disso, estimula contrações uterinas, o que alivia completamente as cólicas menstruais primárias. Os movimentos também dão uma boa regulada no aparelho intestinal. Muitas professoras relatam casos de alunas que conseguiram a gravidez tanto desejada, após começarem a praticar dança do ventre. A suspeita não é infundada, há um estímulo da região ovariana, isso contribui para regular o fluxo menstrual.

Texto adaptado por: Tatiana Bandeira - Professora de Dança do Ventre e Educação Física.
http://www.esppacoalpha.com.br/dancaventre.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário