Recent Visitors

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Um pouco da cidade do Cairo, inspiração para o espetáculo "Uma noite no Cairo"!


Vamos falar um pouco sobre a cidade do Cairo, que serviu de inspiração para o espetáculo “Uma noite no Cairo” que acontecerá no SESC-Teresópolis no dia 20 de novembro de 2011.
O Egito é um lugar mágico que tem tudo haver com dança do ventre, afinal foi onde tudo começou o que afirmam diversas teorias que relatam o nascimento da dança.
No texto a seguir tem diversas informações interessantes para você que quer conhecer um pouquinho sobre a cidade do Cairo.
Aproveitem e obrigada pela visita!!!!!

Diani Bianchi.

Cairo (em árabe: القاهرة, transl. Al-Qāhira, "a Forte", "a Vitoriosa") é a capital do Egito e da província (muhafazah) homônima (Cairo). É a maior cidade do mundo árabe e da África, e os egípcios a denominam muitas vezes simplesmente com o nome do país no idioma local, مصر, pronunciado Misr no árabe clássico e Masr no árabe egípcio.
A cidade conta com cerca de 7.947.121 habitantes e sua região metropolitana incluiu uma população de uns 17.285.000 habitantes, fazendo do Cairo a décima - quinta metrópole mais povoada do mundo. É, também, a área metropolitana mais povoada de todo o continente africano. É conhecida pelos egípcios como a "mãe de todas as cidades" e a "cidade dos mil minaretes".
História do Cairo
A cidade foi fundada em 969 como recinto real dos califas fatímidas, porém a capital administrativa e econômica estava em Fustat. Depois da destruição de Fustat em 1168/1169 para evitar sua captura pelos cruzados, a capital administrativa do Egito foi transferida para Cairo, onde tem permanecido desde então. Demorou quatro anos na sua construção dirigida pelo general Jawhar Al Sikilli (o siciliano) e transferido do califa fatímidas Al-Muizz, que deixou sua antiga Mahdia, na Tunísia e se estabeleceu na nova capital fatímidas.
Depois Mênfis, Heliópolis, Giza e a fortaleza bizantina da Babilônia, Fustat era uma nova cidade construída como guarnição militar para as tropas árabes, pois era o lugar do centro mais perto da Arábia acessível pelo Nilo. Fustat foi um centro regional do mundo islâmico durante o período Omeya e onde o líder Omeya Marwan II realizou a última oposição contra os Abássidas. Mais tarde, durante a era fatímidas, Al-Qahira (Cairo) foi fundada oficialmente em 969 como capital imperial justo no norte de Fustat. Com o transcorrer dos séculos, Cairo cresceu até absorver outras cidades da zona como Fustat, mas no ano de 969 está considerado o «ano da fundação» da cidade moderna.
Em 1250 os soldados escravos ou mamelucos sitiaram o Egito e governaram Cairo até 1517, quando foram derrotados pelo Império Otomano. O exército francês de Napoleão ocupou brevemente o Egito de 1798 a 1801, depois o qual um oficial Otomano chamado Mehmet Ali fez de Cairo a capital de um império independente que existiu entre 1805 e 1882. A cidade caiu então sobe controle britânico até que o Egito conseguiu sua independência em 1922.
Clima no Cairo
O clima do Cairo é desértico com verões muito quentes e invernos amenos. A época mais suave estende-se entre os meses de novembro até março, quando as temperaturas máximas oscilam entre os 23-24 °C durante o dia. É importante especificar a parte do dia, porque no Egito, as temperaturas diurnas e noturnas apresentam grandes contrastes. Durante a época mais fresca, as temperaturas noturnas baixam frequentemente até os 10-11 °C. Desde abril até agosto, o Cairo regista temperaturas muito altas, subindo a valores de temperatura máxima de 36-37 °C, que caem durante a noite até 22-23 °C.
A cidade é, geralmente, muito seca e as chuvas são escassas. Nos meses de inverno podem ocorrer precipitações ocasionais. Mais comuns são as denominadas jamsin, tempestades de areia, que são habituais nos meses mais quentes.
Religião
No Cairo, a religião predominante é a fé Islâmica e a Charia é o principal código de leis. Além da maioria Sunita, também vive na cidade uma minoria Cristã (os Coptas). Deliberadamente não se faz um recenseamento oficial dos Cristãos, embora seja obrigatório declarar a religião no passaporte. Estima-se que cerca de 90 por cento da população muçulmana seja de Sunitas. Quase todo o resto da população é de Cristãos Coptas (Ortodoxos e Católicos), cuja sede é a Catedral de São Marcos (supostamente o evangelizador do Cairo), no Distrito Abbassia e hoje a segunda maior igreja na África. Além disso, a cidade tem ainda uma pequena comunidade de judeus e um pequeno grupo de Cristãos Ortodoxos Gregos. Estas comunidades religiosas vivem lado-a-lado de forma relativamente pacífica.
Turismo e Cultura
Cairo conta com numerosas universidades, teatros, monumentos e museus. O Museu Egípcio é o mais importante deles, situado na Praça Tahrir, que abriga a melhor coleção de objetos do Antigo Egito do mundo. Atualmente está planejando sua mudança para um edifício maior, erguido na zona de Giza.
O epicentro da vida cultural cairota encontra-se no Centro Cultural Nacional, um complexo de edifícios culturais dedicados ao teatro, dança ópera e música, situados na ilha de Gezira. Neste centro destaca A Ópera de Cairo, inaugurada em 10 de outubro de 1988 pelo presidente Hosni Mubarak e que abrigou um concerto da Orquestra Filarmônica Real Britânica em janeiro de 2007, sua primeira atuação no Oriente Médio e na África. A música clássica habitualmente é predominante na Ópera da cidade, aonde também é fácil desfrutar de música clássica árabe, onde está goza de maior difusão é no Instituto de Música Árabe, localizado na Ramsis Street. Uma cita obrigada para a música na cidade é o Festival de Música Árabe, que se celebra a princípios do mês de novembro na Ópera do Cairo. No dizer em que o complexo cultural se dá outros seis teatros e auditórios. A atual Ópera substituiu a Ópera Khedivial, ou também conhecida como a Ópera Real, edifício que se levantou em 1869 e que se manteve ativo até 1971.
Casa de Ópera do Cairo.
Os espetáculos de dança folclórica habitualmente representam-se na Ópera mediante a Companhia de Ballet de Cairo, e sobre tudo nos hotéis mais importantes da cidade. Também é um acontecimento notável na agenda da dança cairota a citar anual com o Teatro Bolshoi. 13 A dança do ventre ou a dança sufi, mais conhecida no mundo ocidental como a dança dos dervixes giratórios, são dois dos bailes mais populares na cidade.
Um dos acontecimentos culturais mais importantes da cidade é o Festival Internacional de Cairo, que reúne vários filmes de vários países durante o mês de dezembro, convertendo-se em um dos festivais cinematográficos mais importantes do mundo. Cairo, anteriormente conhecido como a "Hollywood do Oriente”, 14 perdeu o status de capital cinematográfica do Oriente em favor da Bollywood hindú. A censura segue sendo, ainda hoje em dia, habitual no festival embora tenha recebido, desde sua criação em 1976, as superestrelas como John Malkovich, Nicolas Cage, Morgan Freeman, Bud Spencer, Gina Lollobrigida, Ornella Muti, Sophia Loren, Elizabeth Taylor, Oliver Stone o Catherine Deneuve.
Os cinemas cairotas abrigam, em sua grande maioria, superproduções de Hollywood com subtítulos em árabe. As produções locais desfrutam também de êxito na população do Cairo. Estes filmes frequentemente são rodados nos grandes estúdios situados em Misr ou Al-Ahram, ambos muito próximos das Pirâmides de Gizé. O cinema independente nacional é ainda pouco popular entre os cairotas, e é que somente os cinemas Good News Grand Hyatt e Ramsés Hilton projetam este tipo de cinema.
Na parte literária, destaca sobretudo Naguib Mahfouz, Prêmio Nobel de Literatura em 1988, cuja "Trilogia de Cairo" é a obra que o marcou. O escritor logro um grande êxito entre a crítica local atrás das primeiras edições em 1956 e 1957, mas ainda quando foram traduzidas para o inglês em 1990. No entanto, a pesar do êxito e fama literária que outorgou para a cidade, o célebre escritor que foi apunhalado em 1994 por fundamentalistas. 14 E foi objeto de ira e das pressões dos integristas que o acusaram de blasfemar contra o mundo muçulmano. Faleceu em 2006 como consequência de uma úlcera hemorrágica.
Outra figura fundamental da literatura cairota é Nawal el-Saadawi, quem fundou a Associação de Solidariedade de Mulheres Árabes e escreveu extensamente sobre a sociedade árabe. Ao igual que sua colega Mahfuz, o-Saadawi foi duramente criticada e perseguida pelos extremistas islâmicos, forçando seu exílio para Estados Unidos, onde tem lesionado em classes em diversas universidades. Chegou a ser encarcerada durante o regime de Sadat.
Algumas das festas e acontecimentos mais importantes dentro do panorama cultural cairota são: a Feira do Livro, durante o mês de Janeiro, a Feira de Exposições do Cairo; o Festival Internacional da Canção do Cairo em agosto e o Festival de Teatro Experimental em setembro.
Em 1979, o Centro Histórico do Cairo foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, com o nome de Cairo Islâmico. No local também se encontra o barro cristão, ou Bairro Copto.
Jan El-Jalili
É uma área comercial antiga, um imenso mercado de estreitas ruelas com milhares de pequenas tendas com as mercadorias: sapatos, tecidos, pipas de cristal, especiarias, jóias, com suas ruas repletas de gente, mesas nas portas dos cafés, onde alguns comércios contêm também seus próprios pequenos Workshops de manufaturas.
Junto com o mercado de Al-Muski, situado ao oeste, forma a área de compras mais importantes da cidade. O mercado era também um centro de reunião para grupos rebeldes, até que o Sultão Ghawri o reconstruiu e modernizou no século XVI.
Monumentos faraônicos
Mênfis, é a mais antiga capital do Egito datando de 3200 a. C.. Situa-se a 25 km a sudoeste do Cairo e as suas maravilhas arquitetônicas e culturais são encabeçadas pelo Colosso de Ramsés II com 13 metros de comprimento e um peso de 120 toneladas, assim como a esfinge em alabastro datada da 19ª Dinastia.
Sakkara, a mais antiga necrópole do Egito faraônico, situa-se numa plataforma do deserto a sudoeste de Gizé.
A Pirâmide Escalonada, pertence ao faraó Zoser, da 3ª Dinastia, está dividida em seis grandes níveis de 60 m de altura.
A Pirâmide de Unas, pertencente ao último Faraó da 5ª Dinastia, deve a sua importância aos hieróglifos que cobrem as paredes da câmara funerária.
O Serapeum, uma construção muito semelhante a catacumbas, contém os túmulos do deus em forma de boi Apis e remonta à 18ª Dinastia. A descoberta do lugar foi feita em 1851 pelo arqueólogo francês Mariette.
As Mastabas, túmulos de nobres das 5ª e 6ª Dinastias, as suas paredes são testemunhos fiéis que revelam através dos hieróglifos as atividades da vida quotidiana, assim como cenas religiosas e de oferendas aos deuses, sendo as mais interessantes os túmulos de Ptah-hotep e Kagemni e o de Mira Ruca.
As Pirâmides de Gizé, pertencentes aos faraós Kufhu (considerada uma das sete maravilhas do Mundo), Kefren e Mikerinos, nas proximidades do Cairo, elevando-se majestosas e desafiando o passar dos séculos, datam do Império Antigo, concretamente da 4ª Dinastia.
A esfinge de Gizé localiza-se junto do templo do Vale; possui cabeça humana (do Rei Kefren) e corpo de leão. Tem 70 metros de comprimento e 20 metros de altura. No interior deste monumento parecem estar guardados mistérios e segredos não revelados até aos nossos dias.
Monumentos cristãos e coptas
A Igreja Suspensa, construída sobre as ruínas de uma fortaleza da Babilónia romana.
A Igreja de São Sérgio, a sua origem remonta ao século IV. Com a estrutura de uma basílica, foi erigida sobre a cripta onde se acredita ter se refugiado a Sagrada Família quando da fuga para o Egito.
O Museu Copta contém a mais importante coleção de arte copta do mundo.
A Árvore da Virgem em el Matariya, à sombra da qual teria descansado a Sagrada Família.
A Igreja da Virgem Maria, em Zeitum.
Monumentos islâmicos
A Mesquita de Amr Ibn Aas, a mais antiga no Egito, e em toda a África (ano de 641).
Mesquita de Ibn Tulun, a terceira Mesquita em importância no Egito; possui um minarete em forma de caracol como a Samara no Iraque.
Mesquita de El Azhar, construída pelos "fatimis", ou fatimitas, fundadores do Cairo no ano de 972. A Mesquita com a sua Universidade é considerado como a meca cultural do mundo Islâmico.
Mesquita do Sultão Hassan, foi construída no ano de 1356-1362.
Mesquita de Moaed construída em 823 sobre Bab Zeuraila.
Mesquita de Mohamed Ali (Alabastro), construída sobre a colina norte da cidadela no ano de 1830 sendo do estilo turco.
Cidadela de Saladino, construída em 1183.
A Casa de Sohemy, construída no ano de 1796 e situada em Darb El Asfar.
Monumentos modernos
O Museu do Cairo, situado na praça de Tahrir, foi construído em 1902.
Palácio e centro de conferências, situado em Madinet Nasr, foi inaugurado em 1989 e é ideal para congressos e conferências internacionais.
A Aldeia Faraônica, onde se pode assistir a uma demonstração da vida quotidiana no Antigo Egito.
O Museu Islâmico, situado em Bab El Khalk, possui a mais importante coleção de arte islâmica do Egito.
Os Museus de Arte Moderna de Mukhtar e de Mohmoud Khalil, possuem coleções de escultura e pintura de elevada importância.
Khan el Khalili, é um dos mais originais mercados orientais. A sua história remonta ao século XIV. Possui grande número de tendas com exposições de artigos em ouro, prata, madeira, marfim e cobre, assim como peles, vestidos bordados, especiarias. O elevado nível arquitetônico dos edifícios converteu este local num verdadeiro museu islâmico.
Museu do Cairo
Durante o século passado, os monumentos do Antigo Egito foram saqueados por mercadores de arte sem escrúpulos e com a cumplicidade das autoridades locais desejosas de agradar às potências ocidentais.
Foi exatamente para travar esta dissipação do património nacional que, em meados do século XIX, o governo egípcio, depois de proibir a exportação dos achados arqueológicos, decidiu construir um museu onde seriam conservados e salvaguardados os tesouros do Antigo Egito.
O museu atual, inaugurado em 1902, é um edifício de dois andares, situado no centro da cidade e embelezado por um pequeno jardim adornado com epígrafes e esculturas antigas.
O rés-do-chão, inteiramente dedicado à escultura e aos sarcófagos, é dominado pelas estátuas colossais de Amenothep III e da rainha Tie, colocadas ao fundo do grande átrio.
O primeiro andar alberga em grande parte o espólio funerário de Tutankhamon: a máscara e os sarcófagos de ouro, as jóias, o trono em ouro, o vasilhame de alabastro e o mobiliário.
O museu do Cairo ergue-se no centro da cidade, precisamente na praça de al Tahrir, onde é possível chegar com o metropolitano e com numerosas linhas de autocarro que aqui têm um terminal. O museu está situado no lado norte da praça, a pouca distância do rio e na sua vizinhança encontram-se numerosos hotéis de luxo. À frente do museu, num pequeno jardim adornado com esculturas e epígrafes antigas, encontra-se o monumento funerário do seu fundador, o francês Auguste Mariette.
As coleções do Antigo Egito estão expostas nos dois andares do edifício por ordem cronológica e divididas por temas.
Política
A cidade tem estatuto de estado, muhafazah, com um governador à frente que é nomeado pelo Presidente do Egito. Cairo é o centro político, econômico e cultural do Egito e do Oriente Próximo. É a sede do governo egípcio, do Parlamento (Majlis al-Sha'b), de todos os organismos estatais e religiosos centrais e de numerosas representações diplomáticas.

Fonte de pesquisa: Wikipédia.











Imagens: Google imagens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário